“VEJO QUE POSSO CONCORRER A UMA VAGA NO EXECUTIVO”

O Jornal nos Bairros traz, nessa edição, entrevista exclusiva com o vereador Cirino Adolfo Cabral Neto, o Cirininho, (MDB). Em seu primeiro mandato no Legislativo Municipal, o vereador falou sobre possível mudança de partido, pretensão em lançar seu nome na majoritária nas próximas eleições e rumos para o município de Navegantes. Confira a entrevista na íntegra.

Jornal nos Bairros: Vereador, você é pré-candidato à majoritária nas próximas eleições municipais?

Cirininho: Sim. A verdade é que eu sempre busquei na minha trajetória de vida fugir da política. Apesar de ser de uma família de políticos – como meu avô, meu tio, a família sempre ligada nessa questão – fiz faculdade de Direito, mestrado e doutorado, fui ser professor de ensino superior. Só que em cada eleição, o partido me chamava e, assim, me colocava sempre para ajudar o partido, fazendo a parte jurídica, sendo um voluntário. Até que um dia, quando terminei meu doutorado, percebi que estava pronto para a política, mesmo tentando de todas as formas fugir. Fui participar da política para ajudar Navegantes. Sai pela primeira vez como vereador, não consegui me eleger, mas na segunda eleição consegui me eleger vereador. Com essa minha preparação, tanto na carreira acadêmica, com meus 20 anos de experiência onde já trabalhei na administração municipal, Associação de Municípios, dei consultorias para várias prefeituras e prefeitos, com essa experiência que tive e vivo no dia-a-dia é que vejo que posso concorrer a uma vaga no executivo.

Jornal nos Bairros: Seu trabalho como vereador vem ajudado na sua preparação?

Cirininho: O trabalho do vereador na Câmara não é apenas fazer indicação. Busco sempre fazer requerimentos para levar ao conhecimento do poder público o que está certo ou errado. Isso é auxiliar o poder executivo nos problemas que encontramos no dia a dia, aquilo que a comunidade reclama. Como vereador sempre procurei fazer requerimentos para buscar essas soluções. Para auxiliar no desenvolvimento da nossa indústria, do nosso comércio, dos nossos jovens. O trabalho realizado desde meu início na câmara foi ir a campo e fazer visitas aos postos de saúde, às escolas, às ruas, às obras públicas. Estou fazendo esse trabalho bem forte desde o começo. Além disso, hoje o cidadão que quer falar comigo é praticamente impossível não me encontrar, estou com Facebook, Messenger, WhatsApp, Instagram, Youtube, além do contato via telefone, e-mail. E quando o cidadão pode ir na Câmara, busco sempre a transparência e responder a população.

Jornal nos Bairros: Como o vereador vê o cenário político atual no município?

Cirininho: O que vejo é que o município está bastante carente em algumas situações e a gente precisa dar a devida atenção. Eu falo isso porque é um problema recorrente que acompanhamos na Câmara de Vereadores, que é a educação, a saúde, a segurança pública e o transporte. Precisamos cuidar dessas áreas com muito profissionalismo. Navegantes hoje é uma referência à nível nacional, é uma cidade que vem batendo alguns recordes. Temos um povo trabalhador e correto, que busca o resultado. Nós observamos que a administração precisa caminhar igual ao pensamento da sua população. Esse é o grande desafio do próximo prefeito, fazer que a prefeitura tenha planejamento e gestão para acompanhar as necessidades que a comunidade tanto busca.

Jornal nos Bairros: Sua família tem uma história dentro do MDB. Sabemos que hoje não há um consenso dentro do partido. Você pretende continuar na sigla ou tomar novos rumos?

Cirininho: Sou uma pessoa que gosta do diálogo, da conversa. Penso e aprendi com meu avô que política a gente soma e multiplica, jamais diminui ou divide. Só que os rumos que o partido tem tomado nos últimos tempos não tem me agradado. Eu tenho visto um descontentamento do filiado com a sigla partidária desde a esfera nacional, como a estadual e a municipal, e posso dizer a vocês que estamos sim trabalhando para buscar novos caminhos.

Jornal nos Bairros: Sabemos que há uma indefinição ainda para as próximas eleições municipais. Você consegue visualizar os possíveis adversários políticos para chegar a uma estratégia?

Cirininho: Sinceramente ainda não. Existem nomes circulando nas redes sociais, a gente vem conversando com todas as siglas, mas esse momento ainda é muito prematuro para que a gente possa visualizar quem realmente é um potencial candidato. Hoje, as barreiras eleitorais que foram impostas pela nova legislatura fazem com que os partidos se fortaleçam, na sua medida, para que busquem o seu espaço no cenário, então é natural que desponte uma ou duas pessoas em cada partido para concorrer aos pleitos. Até chegar nessa fase de candidato na majoritária ainda há muita água para rolar.

Jornal nos Bairros: Já estão acontecendo negociações com outros partidos para futuras alianças?

Cirininho: Não diria negociações, mas conversas sim. Volto a dizer, como gosto muito do diálogo, da conversa, então tenho conversado com todos os partidos. Todos aqueles que vêm também nos procurar a gente conversa, até para buscar um consenso. Eu creio que apesar da eleição ser uma batalha, no final das contas todos trabalham para aquele que vai fazer o melhor para a nossa cidade. O objetivo único é Navegantes, por isso, precisamos conversar com todos por conta de um projeto maior. É importante buscar esse consenso.

Jornal nos Bairros: Navegantes hoje está com mais de 72 mil habitantes e um grande índice de migração, além de uma grande quantidade de veículos nas ruas. O que o futuro prefeito vai ter que priorizar para aliar as necessidades básicas com o desenvolvimento?

Cirinho: Primeiro de tudo, é fazer um estudo de engenharia de tráfego em nossa cidade. Hoje a Navetran não tem um engenheiro de trânsito. Vejo que se nós fizéssemos muitas ruas por meio do chamado binário, resolveria muitos problemas. O estudo de tráfego é o principal, segundo o transporte público coletivo – outra coisa que não temos desde 2012. Isso é importante para que tenhamos em nosso município, assim iria evitar que as pessoas saiam de casa com seu carro e possam utilizar o transporte coletivo. Investir nos binários, investir nas ciclofaixas, pois Navegantes é uma cidade plana e propícia para trabalhar a mobilidade. Sobre a questão da demanda migratória é importante a gente fazer de imediato seis super escolas e seis super creches. Tem que fazer independente se vai sobrar vagas, isso é projetar para, no mínimo, 10 anos na frente, para que a gente possa atender essa demanda. Não podemos mais ficar correndo atrás dos problemas e sim temos que nos antecipar, pois vamos conseguir atender a demanda da classe trabalhadora e das famílias que precisam.
Temos que trabalhar muito também é a questão da saúde, na gestão de pessoas, buscar dar qualidade no atendimento nessa área, procurar melhorar ainda mais o atendimento no hospital que já foi pior, e hoje estamos em uma boa condição, mas a ideia é ficar ainda melhor. Além disso, precisamos de um planejamento estratégico no turismo. Hoje estamos voltados de costas para a praia e para o Rio Itajaí Açu, é algo que precisamos trabalhar, atrair o turismo utilizando o nosso litoral, um turismo de veraneio, trazer o turismo de aventura, o turismo rural, o turismo religioso, nós somos uma das poucas cidades no Estado que possui um Santuário. Enfim, nós precisamos profissionalizar ainda mais o turismo em nosso município. A Secretaria de Saneamento Básico, precisamos, urgentemente, transformá-la em uma autarquia, para que a pasta tenha toda uma estrutura e vida própria. Assim vamos conseguir melhor trabalhar a questão do saneamento básico, vamos começar a debater a captação de água, no tratamento do esgoto público, na coleta seletiva de lixo – que em 2022 vamos ter uma nova licitação para concessão do serviço de coleta, Por isso, é preciso de liberdade e capacidade técnica para trabalhar esses temas. E também precisamos de uma reforma administrativa, para encaixar melhor os quadros da administração pública, ver onde há necessidade da demanda e fazer o nivelamento, para que um setor não fique com excesso de servidores e o outro defasado, para assim conseguirmos tocar conscientemente a administração pública.