PROFESSOR ELVIS FALA SOBRE O SEU PLANO DE TRABALHO

Durante o período eleitoral o Jornal nos Bairros está entrevistando os nove candidatos a prefeito de Navegantes. Para que possamos dar espaço a todos padronizamos as entrevistas e perguntamos sobre educação, saúde, turismo e infraestrutura.
Confira a entrevista com o candidato a prefeito Professor Elvis do PRTB.

JORNAL NOS BAIRROS: Navegantes possui hoje uma estrutura boa nas escolas, mas ainda é preciso avançar na qualidade do ensino. Como alcançar essa meta?

PROFESSOR ELVIS: Primeiro, melhorando a administração (gestão) da educação municipal. É preciso deixar a política de lado, e dar condições para que os professores, monitores, agentes, supervisores, orientadores, diretores e o próprio gestor geral possam trabalhar focados na qualidade que todos esperam e sabem que é necessária, com melhores índices de alfabetização, de aprendizado e principalmente de formação do cidadão. Claro que ainda há limitações na estrutura escolas municipais. Ainda se houve relatos de dificuldades com vagas e falta de organização na manutenção das escolas, que deve ser mais eficiente, preventiva e corretiva. Sobre a qualidade do ensino, especificamente, trata-se de um tema muito amplo, cuja discussão não pode deixar de passar pelo o Conselho Muicipal de Educação, através do Plano Municipal de Educação. Eles devem ser mais respeitados. Esse documento deve ser o instrumento básico de gestão da educação municipal, mas o que parece é que ele não é seguido ou sequer é conhecido, ou seja, parece que a educação do município não está seguindo um determinado rumo, e isso não pode acontecer. Todos que trabalham com a educação do município precisam realmente saber para onde estão indo, e qual nível de qualidade buscar. Mas melhorar a qualidade da educação também se faz com a VALORIZAÇÃO e RESPEITO ao profissional da educação, os professores, monitores, enfim, todos que estão na linha de frente. É preciso mais esforço nas discussões das questões salariais e benefícios, promover formação realmente continuada, buscar formas mais eficientes de avaliação dessa qualidade de desempenho dos estudantes, assim como dos próprios professores, é preciso discutir o currículo escolar, trazendo conteúdos e de educação moral e cívica, fortalecendo a assim a disciplina.
Com as atividades de contraturno como esporte e cultura, também irá se conseguir melhores resultados. É um esforço coletivo e complexo, e as famílias precisam participar mais desse processo, afinal, a educação é base de tudo.

JORNAL NOS BAIRROS: A saúde é, em qualquer município do país, o maior desafio de um gestor. Quais as principais frentes de trabalho para se obter uma saúde de qualidade no município?

PROFESSOR ELVIS: Novamente, com mais administração (planejamento, organização, liderança e controle), no trato com os servidores, no uso de recursos e na operacionalização dos processos. É preciso gerenciar melhor as necessidades da população. Tudo que for ligado à saúde, precisa ser prioritário nas discussões. Ouve-se muitos relatos sobre a longa demora para determinados exames e consultas. Há pessoas que aguardam há anos, e quando recebem a ligação, já pagaram ou não precisam mais. Consultas e exames que são básicos, demoram até meses para serem realizados, como um ultrassom obstétrico, ou mesmo uma consulta com o ginecologista. Por isso, a principal frente de trabalho é a gestão dessas demandas, contratando profissionais, temporários ou efetivos, de acordo com a especialidade, para reduzir as filas e dar mais agilidade nos atendimentos. A população não pode esperar para ser atendida, ou ser mal atendida. Os dados da saúde nem são divulgados ou amplamente disponibilizados. É preciso maior transparência no tamanho das filas, sobre a capacidade de atendimento de cada unidade. Cada cidadão precisa saber se gestão está sendo realmente eficiente. É preciso mais transparência e controle. Postos de saúde precisam ser melhor cuidados, ter mais profissionais para atender as demandas, e materiais básicos não podem faltar. Transporte digno para quem precisa se tratar fora, e não economizar em ambulâncias. Ouve-se muito de casos de dificuldade com o simples deslocamento de um cidadão para uma unidade de saúde em casos de emergência. Enfim, são vários aspectos, mas tudo passar pela necessidade de melhoria da administração da saúde municipal. E encerrando, o próprio servidor da saúde precisa ser mais respeitado e valorizado. Afinal, é ele que está na frente da população.

JORNAL NOS BAIRROS: A região da AMFRI tem um grande potencial no setor turístico, em especial a cidade de Banheiro Camboriú. Como fazer para competir com esses municípios e desenvolver Navegantes por meio do Turismo?

PROFESSOR ELVIS: Não é uma questão de competição com os outros municípios, pelo contrário, é preciso trabalhar em parceria. Os turistas não irão querer passar todas as suas férias no mesmo lugar. Ele estará um dia em Balneário, outro dia no Beto Carrero em Penha, e outro dia pode estar em Navegantes. No curto prazo, é preciso fazer mais eventos, principalmente esportivos, para atrair os diferentes públicos. Deve ser uma rotina, quase todo final de semana, com eventos de pesca, atletismo, volei de praia, surf, triatlhon, ciclismo, enfim, há uma série de oportunidades. Assim se estará efetivamente utilizando o que hoje a cidade pode oferecer. Mas para isso, também será necessário requalificar a orla, principalmente no Gravatá, encontrando alternativas para a construção de banheiros, chuveiros e espaços para alimentação. Também investimentos serão necessários para finalizar o molhe do Gravatá, buscar apoio e cobrar o Estado e Governo Federal para reurbanizar o molhe sul, buscar parcerias público-privadas para desenvolver o turismo rural, especificamente, por exemplo, relacionado à requalificação do morro da pedra, que é um lugar que tem uma vista maravilhosa e já é buscado por muitas pessoas para ver o nascer do sol. É preciso reativar a Fenagro e dispor de espaços para eventos alternativos. O desafio é grande, e por isso é necessário um gestor e uma equipe realmente comprometidos com tudo isso, com as pessoas, com os recursos públicos, com o empresário, ou seja, com o futuro da cidade.

JORNAL NOS BAIRROS: Em infraestrutura, o binário do aeroporto e a reestruturação da Beira Rio eram obras pontuais para o município. Quais outras obras de infraestrutura serão prioritárias na sua gestão?

PROFESSOR ELVIS: Há cidade possui hoje muitas demandas que estão atrasadas, e a cada dia que passa, toda a cidade passa a sofrer com a lentidão nesses aspectos. Mas antes, deve-se lembrar que a cidade não possui um sistema de coleta e tratamento de esgoto. Além disso, a cidade não capta e abastece a cidade com sua própria água. Esses itens requerem investimentos, e são situações básicas, que deveriam ser tratadas antes de qualquer outro tópico nessa categoria, afinal, ter que abrir ruas pavimentadas para instalar esses sistemas, é desperdício de recursos.
Sobre mobilidade, é preciso desenvolver um plano de mobilidade de longo prazo, visualizando novos eixos comerciais, prevendo a expansão da cidade. Por isso, o planejamento de novas vias, assim como os ajustes das atuais, considerando sentido único em algumas, assim como a criação de vias de retorno. Mas tudo precisa ser planejado e discutido pensando numa cidade com 100, 120, 150, 200 mil habitantes. Nossas avenidas precisam ser pavimentadas, mas de forma que não precisem ser novamente abertas. Isso é tratar o recurso público com responsabilidade.